CABELOS & CIA nada mais é que um complemento diário para o seu bem estar. Aqui você tem tudo que é atual e necessário para um visual belíssimo.

sábado

Cabelos Lisos e saudáveis


CABELOS LISOS E SAUDÁVEIS



O alisamento está na moda e é uma boa solução para quem possui cabelos crespos ou cacheados e deseja tê-los lisos. As técnicas são várias, mas o assunto ganhou destaque entre as mulheres com o surgimento da chapinha japonesa, lançada em Nova York, há cerca de um ano.

A favor dessas técnicas está a possibilidade de realizar o sonho do cabelo liso, que pode durar dias ou até meses, dependendo do método utilizado. Contra elas, porém, os cabeleireiros apontam os efeitos colaterais que o processamento químico e/ou mecânico pode causar. Sem os devidos cuidados, ele pode ressecar os fios e torná-los quebradiços.

A perda do viço acontece porque o cabelo é composto basicamente por queratina, uma proteína que perde parte de suas funções - protetora e regeneradora - ao ser constantemente agredida por essas técnicas de transformação dos fios.

Por isso, para manter a saúde e a beleza de seus cabelos, é importante que você conheça mais detalhadamente os principais métodos de alisamento e os cuidados para prevenir futuros problemas. Quem dá as orientações é o cabeleireiro Ricardo Cassolari, do salão L' Autre Femme, profissional parceiro da Natura. Ele adianta: "é fundamental criar o hábito de tratar os cabelos adequadamente em sua casa, após os processos de alisamento".

As técnicas de transformação

São três os métodos mais utilizados nos salões para alisar os cabelos: o alisamento tradicional, o relaxamento e o recondicionamento térmico (ou chapinha japonesa).

Os três processos exigem aplicações de produtos químicos e ações mecânicas, que incluem, desde a manipulação do cabeleireiro com escovas, pentes e secadores, até a utilização de equipamentos especiais, como as chapinhas térmicas.

A chapinha japonesa combina as duas técnicas - a química e a mecânica - e por isso é considerada uma solução mais sofisticada e, portanto, mais cara. O método tem origem turca e foi desenvolvido pelo japonês Satoru Nagata, que cuida dos cabelos de artistas famosas no salão Oribe, em Nova York.

Há cerca de um ano, essa técnica virou moda no mundo inteiro e tem sido muito procurada por mulheres que não se incomodam em gastar mais para manter os cabelos lisos.
A boa notícia é que o crescimento da procura pelo método, segundo Cassolari, tem provocado a baixa nos preços dos serviços.

De qualquer forma, nenhum desses processos garante um alisamento definitivo. As propagandas sobre a chapinha japonesa, por exemplo, costumam confundir as mulheres. "Ela apenas desestrutura e alisa de forma permanente os fios aparentes, ou seja, os cabelos que começam a crescer na raiz serão novamente crespos ou cacheados, o que vai exigir retoques habituais", esclarece Ricardo Cassolari.

Um alerta: todas essas técnicas devem ser feitas por cabeleireiros profissionais. Mas cabe a você cuidar diariamente após os procedimentos.

A manutenção dos cabelos quimicamente processados deve ser feita com produtos apropriados.

Alisamento e relaxamento

Se você quer eliminar temporariamente os cachos dos seus cabelos, o alisamento é a melhor opção. Uma das técnicas mais antigas utiliza-se da chapinha de ferro, também conhecida como prancha, que estira o cabelo depois de escovado. É um procedimento barato, mas é desfeito com a primeira lavagem do cabelo.

O alisamento químico dura mais tempo e exige maiores cuidados. Os componentes químicos, formulados à base de hidróxido de sódio ou tioglicolato de amônia, precisam ser aplicados com muito cuidado para não danificar os fios. Nesse processo, é recomendável não escovar os cabelos durante pelo menos três dias.

Se você quer apenas diminuir o volume do seu cabelo, soltar um pouco os cachos e ganhar movimento, opte pelo relaxamento. O processo é idêntico ao do alisamento químico e é feito com os mesmos produtos. A diferença é que o tempo de ação dos produtos nos cabelos é reduzido pela metade, o que torna
o processo menos agressivo aos fios, além de resultar numa aparência mais natural.

O relaxamento exige retoques a cada 45 ou

60 dias e deve ser feito apenas na raiz para não ressecar ainda mais os fios. Ele não é indicado para cabelos tingidos ou descoloridos.

"Para manter a aparência descontraída dos seus cabelos, aposente escova e secador e use condicionadores do tipo "leave-in", ideais para modelar o cacheado. Se preferir o cabelo mais liso, faça uma rápida escova ou apele para a velha touca", recomenda Cassolari.

Embora os produtos utilizados no alisamento e no relaxamento sejam bem menos agressivos aos cabelos do que eram antigamente, redobre os cuidados na hora de escolher o profissional que irá aplicá-los e observe os seguintes cuidados:

. O tempo de aplicação do produto não deve exceder o recomendado.

. Respeite o intervalo de tempo entre as reaplicações, que pode variar de 3 a 6 meses.

. Nunca faça alisamento se o seu cabelo já tiver passado por outros processamentos químicos, como tintura ou tonalizantes.

. Exija a realização de uma prova de toque antes de aplicar o produto, para verificar se a sua pele é sensível aos componentes químicos.

. Vá ao salão sem lavar os cabelos, pois a oleosidade protege e lubrifica os fios que irão receber os produtos químicos.

. Procure lavar os cabelos com xampus e condicionadores próprios para cabelos quimicamente processados.

. Pelo menos uma vez por semana dê banhos de creme hidratante para cabelos e, a cada 15 dias, aplique uma máscara de tratamento profundo nos fios.

Procure um profissional experiente e siga as recomendações para cada processamento químico em seus cabelos.

Recondicionamento térmico ou Chapinha Japonesa

Recondicionamento térmico, alisamento japonês, chapinha japonesa, retexturização ou escova definitiva são os diversos nomes da técnica de alisamento de cabelos que oferece às mulheres a chance de realizar o sonho de manter os cabelos lisos por mais tempo.

A técnica tem algumas restrições: não é indicada para cabelos muito crespos, cabelos descoloridos, com mechas claras, com permanente ou que passaram por relaxamento. Regra geral: os fios precisam estar pelo menos seis meses sem receber qualquer química.

Antes de tudo, é obrigatório realizar um teste prévio para determinar se o fio possui resistência para ser submetido à retexturização. Em seguida, os cabelos são lavados e hidratados. Com os fios ainda molhados, eles recebem por cerca de uma hora cremes à base de queratina e colágeno, que abrem as escamas de proteção dos fios e agem na estrutura capilar.

O passo seguinte é a aplicação de produtos químicos à base de trietanoliamina, um componente menos alcalino e menos agressivo à saúde dos fios. O processo mecânico é feito, então, com a aplicação de uma chapinha térmica especial, um equipamento que ajuda a redistribuir e realinhar uniformemente a queratina, produzindo o efeito do alisamento nos cabelos.

Para controlar o tempo de aplicação, o cabeleireiro faz um pequeno nó nos cabelos. Quando este nó começa a correr, o cabelo recebe a chapinha aquecida sobre os fios, em pequenas faixas. Terminado o tratamento térmico, os cabelos são enxaguados, neutralizados e hidratados com cremes adequados.

"O alisamento japonês permanece de três a seis meses, prazo máximo para retocar a raiz", afirma Cassolari. A aplicação pode durar de 3 a 12 horas, dependendo do volume e comprimento dos cabelos.

Por três dias os cabelos não podem ser lavados, presos ou modelados, pois podem ficar marcados ou se romper. Após esse período, volta-se ao salão para uma nova hidratação e, a partir daí, fica-se livre de escovas, secadores e outros processos de modelagem. O resultado é a aparência de um cabelo que acabou de ser escovado, com brilho e maciez. "Por outro lado, ele perde um pouco do balanço natural", observa Cassolari.

A técnica só deve ser aplicada por profissionais devidamente capacitados em cursos ou treinamento especializados. Deve-se, ainda, obedecer rigorosamente às recomendações do profissional sobre o uso de produtos específicos para a manutenção do processo.

Entre eles, os especialistas recomendam a utilização de xampus com proteínas, condicionadores de reconstrução com silicone, cremes hidratantes com queratina, neutralizantes de produtos químicos, cremes para enxágüe e finalizadores.
Fonte: Natura

Produtos para alisamento e relaxamento

Os tratamentos mais solicitados atualmente nos salões de beleza são os de Relaxamento e Alisamento. À base de produtos destinados a realizá-los, atua quebrando as ligações das moléculas capilares, deixando-as em uma nova posição e modificando o formato dos cabelos.

Atualmente tais produtos são formulados a partir de 3 diferentes substâncias:

Hidróxido de Sódio - São produtos alcalinos, pH 13, e uma lixívia cáustica que pode danificar os cabelos, produzindo queimaduras no couro cabeludo e até mesmo cegueira, caso atinja os olhos. São restritos ao uso por profissionais; produz um alisamento químico permanente e de eficiência máxima.

Dicas de uso:

· Aplique o produto respeitando 0,05 cm de distância do couro cabeludo.

. Não use calor para acelerar a ação do produto, pois pode danificar o fio e o couro cabeludo.

. Não use mais de 4 vezes ao ano.

. É indispensável a lavagem com neutralizante ácido após uso do produto.

Tioglicolato de Amônia - Apresentam um pH alcalino, que remove o sebo protetor, facilitando a sua penetração nos fios. Devem ser aplicados sobre os cabelos úmidos, permanecendo de 15 a 20 minutos. Esticam-se os fios com o pente, aplica-se um neutralizador para refazer as pontas em sua nova configuração.

O Tioglicolato de Amônia apresenta um forte odor de amônia e também pode irritar a pele. Este produto produz um alisamento químico permanente e de eficiência moderada



Dicas de uso:

· Proteja a pele com vaselina sólida

. Hidrate os fios antes a depois do alisamento

. Não lave os cabelos 48h antes de usar o produto

. Produtos formulados com Tioglicolato de Amônia são incompatíveis com Hidróxido de Sódio.

Hidróxido de Guanidina - São conhecidos como produtos sem lixívia. Essa substância também possui um pH alcalino, sem odor, sendo mais eficiente que o Hidróxido de Sódio e menos agressivo à pele. Necessita de um neutralizador ácido. O Hidróxido de Guanidina é composta por 2 ingredientes:

Hidróxido de Cálcio e Carbonato de Guanidina - misturados na hora da aplicação.



Dicas de uso:

· Para conseguir efeito relaxante e não alisante nunca use pentes durante a aplicação e o produto misturado deverá ser usado em 24h, depois perderá o efeito
. Efetue a prova de toque.

. Nunca aplique em gestantes ou em suas amigas. Antes de optar por qualquer um dos tratamentos, analise todos os métodos com um profissional experiente, escolhendo um salão com referências e uma época propícia para se submeter ao processo.
Controle todos os tempos e etapas da "química" e certamente você terá sucesso.
Webdesigner: Lika Dutra







quinta-feira

Transplante de Cabelos

Transplante de Cabelo


Com o avançar dos anos, o homem com tendência à calvície vê no espelho uma progressão de eventos padronizada e temida: as entradas aumentam, os fios de cabelo da parte superior da cabeça vão afinando e o couro cabeludo vai aparecendo. Mais anos se passam, mais fiozinhos dão adeus e, sem tratamento, a calvície evolui até um grau que varia com a genética pessoal. Geralmente atinge fios que estão na frente, na parte superior e na coroa do couro cabeludo. Mas existe uma faixa de irredutíveis e heroicos fios, atrás e na lateral, que se mantém praticamente intacta, mesmo em quem tem grande tendência à calvície.


Pois é, nem todos os fios da mesma cabeça têm o mesmo comportamento. Uns estão destinados a cair, outros não. Quem decide o destino de cada fio é a sensibilidade de cada um aos hormônios masculinos. E essa sensibilidade fica na raiz que produz o fio. Uma raiz sensível é lentamente envenenada pelo hormônio masculino: ela diminui de tamanho, em um processo chamado de miniaturização. Consequentemente, produz um fio cada vez mais fino até simplesmente parar de funcionar. A raiz insensível, por outro lado, não se abala: produz seu fio pela vida toda. Justamente naquela faixa lateral e posterior do couro cabeludo, aquele bravo pelotão de fios que resistem à calvície, se concentram raízes insensíveis ao hormônio masculino.

A realocação de recursos


A ideia básica de um transplante de cabelos é a realocação de folículos, nome oficial das raízes. Quando uma raiz não sensível ao hormônio masculino é removida da faixa posterior do couro cabeludo e colocada em uma área calva, ela continua capaz de produzir seu fio de cabelo. O cabelo transplantado cresce normalmente, com a vantagem de ser insensível ao hormônio masculino. Ele não irá afinar ou cair com o tempo.

E o cabelo de boneca?

O efeito estético do transplante depende da técnica e do capricho do cirurgião. Se as raízes não forem separadas adequadamente antes do implante, os cabelos nascem em tufos, resultando em um efeito desastroso parecido com cabelo de boneca. Esse estilo de transplante já ficou no passado. Nos seus primórdios, rodelas de couro cabeludo com diâmetro de um lápis eram removidas da área doadora e enxertadas na área calva. Com o tempo, os enxertos foram ficando cada vez menores e o resultado melhorou sensivelmente.

O transplante baseado na unidade folicular

Através do microscópio, podemos enxergar que nosso cabelo nasce em grupinhos de um, dois, três ou quatro fios juntos. Cada um desses grupinhos é chamado de unidade folicular. As unidades foliculares ficam espalhadas por todo o couro cabeludo. Mas existem particularidades. Por exemplo, na linha da frente, há preferencialmente unidades foliculares de um fio só.

Hoje em dia um bom transplante de cabelos implanta unidades foliculares, e não rodelas de couro cabeludo. O passo a passo é assim: o cirurgião remove uma faixa de cabelos da área doadora. Com a ajuda de microscópios especiais, auxiliares isolam uma a uma as unidades foliculares dessa faixa. Ao final, o cirurgião tem nas mãos grupos de unidades foliculares com um, dois, três ou quatro fios. O cabelo é então implantado na área desejada, através de pequenas incisões feitas com uma lâmina de bisturi muito fina.

Em geral, as unidades foliculares de um fio são colocadas na linha de frente, próximas à testa. As unidades com maior número de fios vão preferencialmente para trás, conferindo maior densidade. Existem várias sutilezas na hora da colocação dos implantes, como o tamanho e a profundidade da incisão, sua angulação e seu direcionamento. Essas variáveis influenciam o resultado final. Um bom cirurgião, com uma equipe preparada, consegue imitar a natureza. Há casos em que é difícil perceber que o cabelo é transplantado, mesmo se olharmos de perto.

Se o que você mais deseja da vida é o seu belo topete de volta, procure um bom profissional e vá tirando da gaveta seus pentes e escovas.
Veja.com